Operação Sem Fim: Buraco tapado hoje vira um novo buraco amanhã | Tribuna Popular

Operação Sem Fim: Buraco tapado hoje vira um novo buraco amanhã

Data: 07/01/2019 - 15:01 | Categoria: Local |   Bookmark and Share

Pode reparar. Você passa por uma rua de Foz que recebeu a operação tapa-buracos e o carro vai que é uma beleza. Aí, cai um toró na cidade. Pronto, lá estão os buracos, proliferando como coelhos.

A Prefeitura se gaba de fazer “operações tapa-buracos” em toda a cidade, graças à Usina de Asfalto, onde é produzido o asfalto a frio, ou PMF (Pré-Mistura a Frio).

O problema começa aí: o material utilizado na buraqueira de nossas ruas. E termina na forma errada de fazer o serviço.

Reportagem técnica publicada na revista FlatOut, com o título “Cinco fatores que tornam o asfalto brasileiro tão ruim”, fala que as operações tapa-buracos, quando mal feitas, vão provocar novos danos em breve, “provavelmente ainda mais extensos”.

Pra reparar um buraco aberto na pavimentação, é preciso usar massa asfáltica com a mesma composição do pavimento, isto é, se foi feito com “asfalto a quente”, é esse que deverá ser utilizado. E não é só tapar o buraco. É preciso remover também parte da camada ao redor do buraco.

E mais: o cimento asfáltico aplicado a frio sobre o asfalto danificado, com granulação e composição diferente da original, somado ainda à aplicação incorreta, torna o reparo “um remendo frágil”,diz o especialista.

Um leitor da FlatOut, engenheiro, acrescenta: “o buraco tem que ser cortado em cantos retos (fazer um cubo, com cantos, para o reparo ficar firme no lugar), para não fazer tapa-buraco no tapa-buraco do ano anterior”.

Observe uma equipe da Prefeitura em ação, jogando no buraco aquela mistura de asfalto a frio, sem qualquer cuidado, e você vai entender por que em pouco tempo o buraco reaparece. Às vezes, com vizinhos.

A Usina de Asfalto era um sonho que o prefeito Chico Brasileiro conseguiu realizar. Mas, para os iguaçuenses, o pesadelo vai continuar.

Na época da inauguração, a Prefeitura divulgou que o asfalto produzido na usina “oferece maior resistência, estabilidade e durabilidade”.

E dizia que, “fabricado da mesma maneira que o asfalto convencional, (o asfalto) recebe um aditivo durante o processo de usinagem que permite a aplicação a frio, ao contrário do asfalto convencional, que deve ser aplicado a quente”.

Por que será que estão usando asfalto a quente na ampliação da pista do aeroporto de Foz, por exemplo, e não a frio, como se orgulha a Prefeitura?

Aliás, para fazer uma avenida, é preciso apelar pro asfalto a quente, que em Foz é produzido pela Construtora Coguetto Maria, por sinal contratada pela Infraero para construir a pista do aeroporto.

A construtora tem como um dos sócios o deputado Nelsi Coguetto Maria, o Vermelho. A construtora aparece na Operação Pecúlio como uma das acusadas de pagar mensalinho a servidores e políticos na gestão de Reni Pereira. Aliás, o ex-prefeito continua livre, leve e solto.

Antes de investir R$ 2 milhões na usina, mais o investimento feito diariamente na produção de asfalto e nas operações tapa-buracos, seria interessante a Prefeitura procurar a opinião de um especialista.

É o que mais falta em Foz, aliás. Gente que entenda de urbanismo, de pavimentação, de planejamento, etc, etc. E que não tenha medo de ferir suscetibilidades, pessoais ou políticas.

Fonte:

http://www.naoviu.com.br/operacao-sem-fim-veja-buraco-tapado-hoje-vira-um-novo-buraco-amanha/   

Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br