ONU se diz “decepcionada” com decisão da Venezuela sobre Lei da Anistia | Tribuna Popular

ONU se diz “decepcionada” com decisão da Venezuela sobre Lei da Anistia

Data: 12/04/2016 - 10:04 | Categoria: Internacional |   Bookmark and Share

O Alto Comissário da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos mostrou hoje surpresa e decepção com a decisão do Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela de declarar inconstitucional a Lei de Anistia aprovada pelo Parlamento venezuelano.

"Estamos muito, muito decepcionados com a decisão do Supremo Tribunal, sobretudo tendo em conta que o governo venezuelano nos pediu uma opinião legal e nós respondemos que, em geral, [a lei] estava em conformidade com os padrões dos direitos humanos", disse em coletiva de imprensa a porta-voz do Alto Comissariado, Ravina Shamdasani.

A Lei de Anistia prevê a libertação dos opositores detidos na Venezuela, entre os quais Leopoldo López, condenado a quase 14 anos pela violência registrada em uma manifestação em fevereiro de 2014.

"Estamos muito surpresos com o debate de ontem (11) e esperemos que este não seja o fim do caminho porque esta lei poderia ter sido a base para o diálogo e a reconciliação na Venezuela", sublinhou.

CONSTITUCIONALIDADE

A decisão da mais alta instância jurídica venezuelana foi publicada quatro dias depois de o presidente Nicolás Maduro ter pedido uma interpretação da lei, garantindo que "nunca seria aprovada".

Sobre a independência do poder judiciário no país sul-americano, a porta-voz afirmou que várias entidades da ONU tinham manifestado sua preocupação. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos e "outras agências de defesa dos direitos humanos da ONU manifestaram preocupação relativamente à independência do sistema judiciário venezuelano em repetidas ocasiões. No ano passado, a comissão de Direitos Humanos destacou a necessidade de uma reforma profunda do sistema judiciário para garantir a independência do governo e de qualquer grupo político".

Shamdasani explicou que o Alto Comissariado ainda analisa a decisão do Supremo Tribunal, mas já advertiu que declarar a inconstitucionalidade da totalidade do texto "é preocupante".

A porta-voz insistiu que, para o Alto Comissariado, a lei cumpria todos os requisitos reconhecidos internacionalmente e voltou a lembrar ao governo e às entidades do Estado que devem garantir os direitos e as liberdades "de todos os venezuelanos", incluindo os defensores dos direitos humanos.

Shamdasani disse que o Alto Comissariado vai reiterar o pedido ao governo e à oposição da Venezuela para que abram novos caminhos de restabelecimento do diálogo, que levem a acordos "necessários para enfrentar os graves desafios políticos e sociais da população".

Fonte: Agencia Brasil

Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br