Novo laudo conclui que não houve violência em morte de vendedor na Ponte de Amizade | Tribuna Popular

Novo laudo conclui que não houve violência em morte de vendedor na Ponte de Amizade

Data: 17/05/2018 - 07:05 | Categoria: Local |   Bookmark and Share

Ademir Gonçalves Costa teria morrido depois de uma abordagem da Receita da Federal, em janeiro de 2017 na Ponte Internacional da Amizade (Brasil X Paraguai). Laudo anterior apontou que ele ingeriu substâncias químicas, porem família alegava que houve agressão.

Uma nova perícia concluiu pela 2ª vez que não houve violência na morte do vendedor Ademir Gonçalves Costa, de 39 anos de idade..

O último análise foi um pedido da família, atendido pela Justiça. Os familiares constestavam o 1º laudo da Polícia Federal que dizia que a causa da morte foi a ingestão de substâncias químicas encontradas no sangue dele.

"Não existiu nenhum tipo de fratura ou agressão física que sugestionasse a morte violenta", afirmou João Carlos Daleffe, advogado dos servidores da Receita.

O laudo desmascara a tese dos advogados da família que diziam que Ademir Gonçalves Costa teria morrido por asfixia e por excesso na abordagem dos fiscais. Gonçalves cruzou a ponte e foi abordado por fiscais na aduana brasileira. Segundo os servidores, ele resistiu e morreu logo depois da abordagem. Diante do novo laudo, os advogados da família afirmam que o resultado não é conclusivo e que vai esperar o resultado do exame toxicológico.

O Tribuna Popular teve acesso ao novo laudo, denominado LAUDO Nº 407/2018 - INC/DITEC/PF, onde concluiu entre centenas de quesitos, mais precisamente nos quesitos nº 112 e 113 "Foram realizadas radiografias do crânio, pescoço e tórax do cadáver, as quais não evidenciaram corpos estranhos, fraturas ou traumas antemortem", "De tudo exposto, não foram identificados no cadáver quaisquer sinais de trauma antemortem".

Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br