Mulher entra na Justiça para retirar perfil “hackeado” do ar | Tribuna Popular

Mulher entra na Justiça para retirar perfil “hackeado” do ar

Data: 28/02/2018 - 06:02 | Categoria: Nacional |   Bookmark and Share

Uma mulher entrou na Justiça depois de ter conta no Facebook invadida por "amigo" em Campo Grande. A rede social foi obrigada a retirar o perfil hackeado da vítima do ar.

Conforme nota do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Su), a mulher alegou que conheceu um homem na internet que supostamente morava em Poá (SP) e posteriormente teve a conta invadida por ele. O suspeito teria enviado mensagens aos contatos virtuais como se fosse ela.

Embora tenha tentado excluir o perfil diversas vezes, ela não conseguiu. Deste modo, acionou a Justiça pedindo o cancelamento da conta e das informações obtidas no computador do suspeito, além de pagamento de indenização por danos morais.

Ao receber o pedido, o magistrado determinou a exclusão de pronto do perfil na rede social, o que foi atendido pela requerida. Entretanto, a empresa alegou que seria impossível determinar qual seria a máquina utilizada pelo invasor, pois não armazena este tipo de dado. Alegou que disponibiliza a todos os usuários ferramentas específicas para contas hackeadas. Por último, eximiu-se da responsabilidade de monitorar e controlar o conteúdo que os usuários veiculam na rede social.

O magistrado entendeu que, embora a relação entre as partes seja regulada pelo Direito do Consumidor, a parte requerida, de fato, não responde objetivamente pelas informações de conteúdo ilegal inseridas no site por terceiros. “Apenas quando cientificados dos dados ilegais é que lhes surge a obrigação de retirar o material do ar, sob pena de responderem em solidariedade ao autor direto da ofensa”.

Levando em consideração que a mulher preencheu um formulário denunciando a violação de sua conta, ela respondeu a comunicação com as instruções necessárias para reaver as informações hackeadas. Por fim, a decisão determinou a exclusão do perfil.

“Assim, ante a inexistência de provas em relação a inércia da requerida em excluir o perfil da Autora quando de sua intimação nestes autos e, consequentemente, a ausência de responsabilidade, o pedido de indenização por danos morais não procede”, conclui o juiz titular da 1ª Vara Cível de Campo Grande, Thiago Nagasawa Tanaka. (Com informações do Midiamax)

Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br