General Silva e Luna adota linha de austeridade e determina novas diretrizes | Tribuna Popular

General Silva e Luna adota linha de austeridade e determina novas diretrizes

Data: 20/03/2019 - 13:03 | Categoria: Regional |   Bookmark and Share

O general Silva e Luna está redirecionando e revisando normas para patrocínios e convênios

Há menos de um mês no cargo, o novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna, já começou a pôr em prática o que considera sua missão: gerir bem Itaipu, melhorando o emprego do uso de recursos como uma ação de responsabilidade e de respeito ao consumidor que paga a conta da energia elétrica.

O decreto que nomeou o general Silva e Luna na Diretoria Geral Brasileira foi assinado no dia 20 de fevereiro e publicado no Diário Oficial da União do dia seguinte. A posse aconteceu em 26 de fevereiro, na usina, em Foz do Iguaçu.

Ontem terça-feira 19 de março de 2019, em Curitiba, ele reuniu o corpo gerencial da Diretoria Geral para anunciar o redirecionamento e a revisão das normas de patrocínio e convênios para garantir o melhor uso dos recursos. Também haverá uma revisão, já iniciada, de todos os programas desenvolvidos pela usina binacional, para se avaliar quais devem ser mantidos ou enxugados.

Além disso, o general Silva e Luna está estudando a devolução de funcionários de outros órgãos públicos que atuavam principalmente como requisitados.

O diretor-geral brasileiro optou por aproveitar a estrutura de pessoal já existente, por considerar que o quadro de Itaipu é preparado e já foi convocado a participar, em equipe, da missão a que se propôs, de tornar a empresa o mais criteriosa possível na gestão de seus recursos financeiros.

Do quadro da usina, o general vai aproveitar um empregado ou empregada para a função de secretário executivo. Juntamente com o chefe de gabinete, vai cuidar dos despachos em geral, para que o general possa cuidar dos assuntos mais estratégicos.

O diretor também anunciou que o escritório de Curitiba será mantido, mas numa estrutura mais enxuta.

Exemplo

Uma das reduções de custos já adotada vem de seu próprio exemplo: em vez de morar em Curitiba, o general Silva e Luna decidiu fixar residência em Foz do Iguaçu, onde está instalada a usina. Ali, também deverá residir grande parte do corpo gerencial da empresa, como superintendentes e assistentes da sua diretoria. Com isso, haverá redução de gastos com viagens e diárias e será formado um centro de comando capaz de se reunir a qualquer momento em que haja necessidade.

Outra medida foi o maior controle na utilização de veículos da empresa, restringindo seu uso estritamente às atividades de serviço. O general considera que a medida trará importante mensagem de austeridade, tanto para os usuários como para a população, que só verá carros de Itaipu a trabalho, e não em deslocamentos pessoais.

Duas pontes

Um dos focos do diretor-geral brasileiro de Itaipu é o investimento que a usina terá que fazer, nos próximos três anos, para atender ao acordo firmado entre os governos do Brasil e do Paraguai: bancar a construção de duas pontes, uma sobre o Rio Paraná, entre Foz do Iguaçu (PR) e Presidente Franco (PY); e outra sobre o Rio Paraguai, entre Porto Murtinho  (MS) e Carmelo Peralta. A de Foz será construída pela margem brasileira de Itaipu e a do Mato Grosso do Sul pela margem paraguaia.

Juntas, essas duas pontes devem custar em torno de R$ 1 bilhão. “É um custo alto, mas será diluído ao longo do tempo, com orçamento bem feito”, diz o general Silva e Luna, que é favorável a esse investimento, por ser em obras estruturantes, e não em “coisas que no dia seguinte terminam e que ninguém consegue mensurar depois”. Só que, para que os gastos com as pontes não interfiram no custo de Itaipu, o diretor-geral brasileiro vê como saída a redução de gastos.

A construção da segunda ponte, entre Foz e Presidente Franco, também "exigirá austeridade em todos os gastos. Teremos que fazer escolhas", diz o general Silva e Luna.

 

Royalties

O diretor-geral brasileiro de Itaipu lembra que, além de investimentos, a grande contribuição que Itaipu faz aos 16 municípios lindeiros ao reservatório (15 no Paraná e um no Mato Grosso do Sul) é o pagamento de royalties, vinculados à produção de energia. Uma mudança na legislação dos royalties, no ano passado, aumentou ainda mais a parcela que cabe aos municípios: antes, eles dividiam 45% do total, agora esta fatia subiu para 65%.

Itaipu paga royalties desde que começou a gerar energia, em 1985. Mas foi em 1991, com a Lei dos Royalties, que a distribuição passou a obedecer a critérios que beneficiaram mais os municípios lindeiros e o Estado do Paraná. No total, Itaipu pagou desde 1985 nada menos que 11 bilhões de dólares para o Brasil e o Paraguai. Desse valor, só os municípios lindeiros receberam 2 bilhões de dólares, enquanto o governo do Paraná recebeu outros 2 bilhões de dólares.





Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br