Corpo de Bombeiros de Foz do Iguaçu está como o diabo gosta | Tribuna Popular

Corpo de Bombeiros de Foz do Iguaçu está como o diabo gosta

Data: 14/10/2020 - 19:10 | Categoria: Segurança |   Bookmark and Share

Por falta de "pulso" do comandante dos bombeiros de Foz, Vila A está sem ambulância do Siate e o trem está descarrilando

Um dos maiores presidentes norte-americanos tem uma frase que deveria ser seguida por muitos dirigentes. Ele dizia: "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia".

No caso do comandante do Corpo de Bombeiros de Foz do Iguaçu, ele não lidera e nem chefia. Vacila pra lá e pra cá, e a coisa começa a degringolar neste destacamento que já serviu de exemplo para o Estado.

O Tribuna Popular recebeu algumas reclamações e foi conferir tudo, como sempre foi de nosso feitio. Na atual gestão do comando do Corpo de Bombeiros, o 9º Grupamento conta hoje com três postos operacionais e um administrativo.

Os postos do Maracanã, São Francisco e Vila A são operacionais e os bombeiros ficam aquartelados, prontos para saírem em atendimento de emergência. Já o Posto JK é meramente administrativo.

Absurdo

Na pesquisa feita pela equipe do Tribuna Popular, que investiga tudo o que de errado ocorre na cidade, descobrimos que Foz do Iguaçu conta com 54 viaturas do Corpo de Bombeiros, sendo que somente 42 bombeiros trabalham efetivamente na "rampa" ou melhor, ficam de "prontidão" prontos para combaterem incêndios, salvarem vidas e ou resgatarem alguém em perigo e outros 55 bombeiros trabalham meramente administrativamente.

Trocando em miúdos: Se existem 54 viaturas e apenas 42 bombeiros estão de prontidão, significa que alguma coisa está muito errada. Aonde já se viu um quartel de bombeiros ter 42 bombeiros de prontidão e 55 trabalhando na área administrativa. Ora bolas, a função precípua de uma corporação importante como essa é salvar vida e não ficar cuidando de papelada, de burocracia, carimbando documentos....

Incompetência ou corpo mole?

Já íamos esquecendo: O nome do comandante desta unidade é o major Antonio Shinda. E ele praticou mais uma das suas: Desativou a guarnição do Siate do Posto Vila A, desconhecendo a sua real importância. A ambulância da Vila A precisaria de dois militares por dia, sendo que são três equipes para colocar a ambulância na "rampa" e em prontidão. Resumindo 6 militares. Ou seja, o comandante não sabe nem mesmo organizar uma escala de trabalho.

"Comandante Banana"

Sempre em busca da verdade, o Tribuna Popular conversou com diversos militares operacionais e administrativos. Eles citaram coisas do "arco da velha", mas não iremos revelar seus nomes, porque o tal comandante, pode não saber comandar, mas pode perseguir seus comandados.

Ao ser questionado sobre a falta de efetivo, um militar da prontidão desabafou: "este comandante é uma piada, tantos militares trabalhando administrativamente sem fazer nada e ele não toma providencias, é considerado um comandante banana, e a população está pagando muito caro por isso, uma única viatura do Siate tem que atender o Porto Meira e a Vila C, enquanto viaturas do Siate permanecem escondidas no Posto Vila A por falta de militares".

"Falta de pulso"

Já em conversa com um bombeiro do setor administrativo, o Tribuna Popular indagou por que ele não gostaria de trabalhar na "rampa". O rapaz responde em alto e bom tom:

- "Você é loco Enrique? Porque que eu vou trabalhara na prontidão? Com a "covidão" infernizando a vida de todos, nós estamos trabalhando só seis horas por dia? Só loco vai lá trabalhar 24 horas, folgar dois dias e novamente ficar de prontidão 24 horas. Aqui eu não faço nada, trabalho minhas seis horas e vou para casa, e ainda não trabalho nos finais de semana".

Oito pra digitar BO

Outro bombeiro deu mais um exemplo da bagunça que é o destacamento de Foz do Iguaçu sob a liderança do major Chinda; "tem sala no Posto da JK, a B1, que tem só quatro computadores, mas tem oito bombeiros trabalhando só para digitar BO, e só trabalham seis horas por dia, só loco vai para a linha de frente, aqui nós peitamos o major, se quiser efetivo que tenha pulso! Que pegue os mais modernos".

Falta de bombeiros que conduzam os caminhões do Corpo de Bombeiros

Comandante do 9o Grupamento de Bombeiros já perdeu o controle e chegar a ser motivo de chacota entre os comandados

Nos últimos dias, um incêndio simultâneo de duas casas em pontos diferentes da cidade expos casos que até então nunca tinham sido notados. Dois caminhões ABTR (Auto Bomba Tanque e Resgate) foram deslocados para um incêndio a residência, sendo que logo em seguida em outro ponto da cidade, outra casa pegou fogo, onde prontamente foi enviado uma ABTR. Na segunda casa em chamas, acabou a água, porem, nos postos tem um caminhão reserva, mas não havia ninguém que os conduzisse até o local do sinistro.

Diante de mais essa trabalhada, evidente que uma das casas foi reduzida a cinzas. Quem vai pagar o prejuízo, o comandante indeciso não vai perder nada.

O Tribuna Popular questionou alguns militares sobre o ocorrido, e a resposta foi "má gestão". O caso chegou a um ponto que os militares já fazem chacota do comandante, com sorrisos marotos quando ele vira as costas.

Fim da picada

A equipe de abelhudos do Tribuna também descobriu que, por falta de militares que conduzam os caminhões do Corpo de Bombeiros, o Governo do Estado prontamente designou a Auto Escola Itinerante, onde militares (por conta do estado) iriam fazer o curso de condutor de viatura pesada, para que pudessem conduzir caminhões de grande porte.

Ao todo, cinco bombeiros foram selecionados para o curso. Mas, pasmem, dos cinco escolhidos, apenas um era do operacional e quatro eram meramente militares administrativos e não trabalham no operacional. Resumindo. O problema continua tudo igual. Se o destacamento tivesse um comandante de fato, evidente que o pessoal do setor administrativa não seria designado para o curso.

Pra ver se o comandante fica espero, vamos dar-lhe um conselho do estimado Ricardo Sodré: "O péssimo chefe provoca intrigas, o rui as permite, o bom as evita, o líder as desestimula". Depois de aprender isso, pode começar a governar.

A diferença entre chefe e líder

E equipe do Tribuna Popular não deseja o mal para ninguém, apenas que o comandante faça uma reflexão e assuma as rédeas do posto. Mais trabalho e menos diversão. Por isso, vai a mais um conselho de autor desconhecido:

"Os chefes empurram, os líderes puxam;

Os chefes comandam, os líderes comunicam;

Os chefes são mestres, os líderes maestros;

Os chefes são os donos da voz mais alta, os líderes dos ouvidos mais acurados;

O chefe administra, o líder inova;

O chefe é uma cópia, o líder é um original;

O chefe mantém, o líder desenvolve;

O chefe pergunta "como e quando", o líder pergunta "o que e por que";

O chefe obtém resultados através das pessoas, o líder desenvolve pessoas e grupos;

Os chefes são obedientes, os líderes contestadores;

Os chefes vestem a camisa da empresa, os líderes participam dos negócios da empresa;

"A gentileza dos líderes não está em obter conquistas pessoais, mas em libertar o talento de outras pessoas".

Fonte:

 

http://www.jtribunapopular.com.br/uploads/publicacoes/jornal-tribuna-popular-edicao-286-pdf.pdf   





Atenção

A reprodução das fotos do Portal de Notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida por lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br